Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

domingo, 31 de maio de 2015

A antevisão da Taça de Portugal,sem esquecer o passado recente...

Difícil prever,mas fácil descrever cenários que justifiquem uma época onde um grande como o Sporting Clube de Portugal,evidenciou debilidades conjunturais demasiado frágeis para se assumir nos trilhos de um destino que o catapultou para todo  o sempre,como um clube de uma dimensão nacional e internacional perfeitamente reconhecida por todos os apaniguados do Futebol,e mesmo até por aqueles que o negam,mas que por "o tocarem tantas vezes" se deixam trair por um subconsciente que não mente como o"dono",e retifica obstinadamente as linhas da verdade.
Já olhando o Sportinguista para dentro do seu amago mais profundo,tenho como certo que vencer esta Taça de Portugal seria como o diz Marco Silva (Treinador do Sporting),o momento da época 2014 / 2015,e pelas mesmíssimas razões de tantas outras odisseias competitivas,onde grandes clubes tentam branquear prestações menos bem conseguidas ao longo de uma época,e muito por as tais razões onde foram dados autênticos "tiros no pé" nas relações sociais e políticas de um grupo,e muito mais de um clube que não se pode expor a atos sem "rei nem roque",e capazes  de colocar em causa a estabilidades de quem quer vencer.
Com um treinador que tem mais a ganhar com a sua passagem pelo Sporting,do que o clube com os atributos atuais deste comando técnico,e a oscilar na consistência de resultados durante a época,ninguém esquece a instabilidade emocional de Bruno de Carvalho(Presidente),quando deparando perante esta realidade desatou a proferir declarações desconexas e insensatas para alguém que tenha uma identificação miníma com uma liderança perspicaz,onde as cábulas do "consultor"  Augusto Inácio não deveriam "florir" nas soluções,mas apenas de forma prática compor opções mal avaliadas,e nocivas aos objetivos propostos.
Pior do que isso,foi "a bomba" desprovida de qualquer senso valorativo por parte de Nani,que na defesa do "mentor das táticas" espartilhou um grupo que se já era débil,mais o ficou para o caminhar restante da época,onde o Presidente era reduzido a figura menor,e as estruturas de uma equipa ficavam na mão de quem era pago para jogar e não para palpitar.
Isso mesmo,Marco Silva,espero que vença logo ao tarde a Taça de Portugal,pois assim já me "calará"em alguma coisa,na forma e no impeto corajoso com que faço esta análise antevisão ao desidrato de uma época, onde é fácil dizer-se que não se tem equipa,onde não há dinheiro,e se calhar por isso também não há talento,mas deixe que lhe diga,que para se chegar a uma Final no Jamor,não creio que seja com uma equipa "ao pé coxinho",e mais, em tempos onde "os apitos dourados" deram vez a "colinhos" aconchegados por tudo,menos por "reis da selva".
Como adversário dos "Leões" para este importante desafio,se apresenta um Sporting Clube de Braga fruto inspirativo de António Salvador(Presidente),um estudioso atento de um "vira minhoto",que se soube moldar a preceito a um Futebol Português,onde conhecer "as unhas" que toquem "a guitarra dos grandes feitos",é mais de meio caminho andado para se sorrir do" alto das grandes tribunas."
Quanto aos talentos das quatro linhas,tem a equipa minhota o suficiente para não se esconder dos sonhos e das conquistas,que reforçados por uma massa adepta que não lhe regateia o seu apoio fervoroso,pode contrariar qualquer um,e em qualquer cenário,onde até o favoritismo lhe escape por força da vontade dominadora de qualquer grande do Futebol Português.
Bom,vamos esperar para ver...


Numa final onde o pior do jogo foram os treinadores,com um pontapé para a frente se justificou a falta de arte e engenho de qualquer uma das equipas para se notabilizar durante os 90 minutos regulamentares e respetivo prolongamento.
Na lotaria das grandes penalidades,Rui Patrício deu o mote,e o Braga entregou "o ouro a um bandido"que não precisou de "roubar quem quer que seja" para ser feliz,e sete anos depois,conquistar "um sorriso" que já tardava.
Agora,vamos lá,Fair Play acima de tudo,que todos regressem a casa sem confrontos desnecessários,para além do jogo que já lá vai,e se foi o Sporting que ganhou,pois que festeje à dimensão de uma conquista merecida pela força das circunstancias,que tinha que determinar um vencedor para esta edição da Taça de Portugal 2014/2015.

Custcruz

sábado, 30 de maio de 2015

1 000 748 visualizações...Epaaaaaaa


custodio nogueira da cruz custodio cruz
Trabalha em conta propria
Vive em Figueira da Foz, Portugal
7 seguidores|1 000 748 visualizações

Epaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

sexta-feira, 29 de maio de 2015

A diferença entre os melhores e os menos bons...


Ainda a música não se soltou no palco,já o talento puro se insinua aos olhos de quem o queira ver e sentir,com um sorriso do tamanho de um mundo feito de sentimentos nascidos no momento,desafia-se tranquilo num sonho que não lhe mete medo,mas pelo contrário,lhe oferece os anseios de uma confiança admirável na vontade de ser feliz,e semear esse estado de alma por entre aquela enorme plateia cativada aos poucos,e em direção a um apogeu de um só tempo,mas prometedor para muito mais aventuras num futuro tão risonho quanto aquele do qual ele não se consegue desligar.

Aqui,há muito mais do que uma voz melodiosa e bem articulada na arte do canto,pois "...onde a emoção orquestra o destino dos sentimentos,quase sempre resulta na revelação daquilo que se pode ou não gostar,mas nunca por nunca ignorar enquanto genuinidade do ser..."
Custcruz

Pois é,e quer queiram quer não,será sempre isso que marcará a diferença entre os melhores e os menos bons...

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O livro da vida de cada um...


Escultura Matías Sierra

Olho para dentro de mim,
e orgulho-me de ter respeitado o ser que quis ser,
de me ter perfilado nas convicções que sonhei a cada instante,
de acreditar que afinal o mundo é uma oportunidade para nos surpreendermos a nós próprios,
e mais do que isso,
sentirmos a força capaz que cada um tem para se dar a conhecer...

CustódioCruz

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Alerta vermelho...


Não!

Generalizar esta conduta deprimente de um agente de autoridade às forças de segurança,nunca o farei,porque a doença pode atingir qualquer ser humano seja ele de que área for.O que me parece importante,é que de uma vez por todas se perceba e se sinalize com um "alerta vermelho",o quanto a nossa sociedade está a ficar à mercê de pessoas "desequilibradas mentalmente",e que nos surpreendem com atitudes perfeitamente desconexas para quem recebeu formação para agir de uma outra forma,mas abdica pura e simplesmente desses conhecimentos ou valores,e se deixa enrolar em instintos que podem de certo ter nascido de muitas razões,que não aquelas que ali se viveram naquele momento.
Agora,vamos por exemplo dar um salto até aquela ocorrência dos jovens que massacraram outro jovem junto ao edifício Portugal,e logo de seguida,aos inúmeros assassinatos entre família direta,para quem a compaixão de sangue já era.
Para reforçar ainda o rol das incidências,a ligeireza com que o extremismo vai tomando conta do mundo,recrutando com um facilitismo impressionante,protagonistas que andam perdidos no labirinto das perturbações da mente,nascidas de uma desorientação que é o próprio mundo que as está a criar,com fundamentos num cinismo(exibicionista) adverso á vivência conjunta do ser.
É mais fácil,e conveniente ignorar o cerne da questão,e colocar a "multidão" a discutir o "sexo dos anjos",mas meus amigos,a pedagogia para situações desta natureza,há muito tem estabilizadas respostas de um enorme sentido prático,pois o exercício onde a tolerância possa chegar,é sempre bem vindo e previdente,quanto à ultrapassem das linhas que estabelecem o bom senso,e numa conjetura de razões extremas,só se pode responder com a mesma energia motivadora para aniquilar a audácia de quem já não pensa,e apenas age.
A vida é feita de altos e baixos,e se ainda for possível chamar à razão quem agora errou,e se destes houver disponibilidade clara e inequívoca para recomeçar um outro trilho de vida,ainda que nunca abdicando da punição que possa criar um sofrimento pedagógico no acerto psicológico,pois que se avance e se apoie,já a quem na continuidade desonesta das suas convicções doentias,mente com "cuspidelas atrozes",pois que punido seja numa "quarentena" que dure o tempo que for necessário,até a sociedade se sentir segura da sua maior ameaça.
Custcruz

domingo, 17 de maio de 2015

O Lotopegui...ou lá o que é...e as suas emoções à flor da pele...


Pouco inteligente,com défice no controlo das emoções,sem o discurso de um líder,quem sabe se por aqui se possa começar a decifrar as principais razões pelo qual o F.C.Porto não teve nem arte nem engenho,para se opor a um Benfica mais consistente não só em termos disciplinares,mas também em tudo aquilo que há imagem de um treinador se leva para dentro do campo,e se colhe em dividendos resultantes da qualidade de trabalho efetuado ao longo de uma época.
Quando um sonho começa a ruir,vêm ao de cimo as debilidades mais marcantes de uma época mal comandada,assim,foi lá pelo "dragão" que um treino acabou à "estalada"e ao "pontapé",tendo mesmo que ser o "cota" Pinto da Costa a intervir,e a acabar com um treino onde dois protagonistas deviam ser exemplos para um grupo(Quaresma e Jackson Martínez),e mostraram o quanto "uma família" não o era,e por isso não tem motivação para um comportamento de beijinhos e abraços.
Assim,e por via das dúvidas,até veio ao de cimo o exibicionismo de um "artista da bola",que em pleno terreno adversário insinuou, e se desmarcou de responsabilidades no adivinhar mais que provável da atribuição do Título de Campeão Nacional de Futebol,nesta época de 2014/2015


"...Depois das picardias entre o treinador do Benfica e Lopetegui e de Quaresma ter trocado de camisola com Júlio César, fica para a história o abraço - com direito a beijo - entre ambos..."

De resto,"quem anda à chuva molha-se",e basta desfolhar as páginas de vida,para se perceber quem anda num mundo e pertence a outro,e onde para além do que protagonizou,pouco mais terá a acrescentar.
Esta dos ex.Jogadores de Futebol serem tudo e mais alguma coisa,só resulta para alguns,e porque o merecem mesmo,ainda que para outros,também aconteça,porque o "cardápio hipócrita" lá resulta a espaços,sustentado em "estruturas douradas" que nem sempre luzem,por "o faz de conta" ter que alternar de vez em quando.

Ó Lopetegui,vê lá se cresces e apareces...

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Pára-me de repente o pensamento,ou a saga talentosa de dois jovens Figueirenses...,


O ser humano nasce num meio onde o tudo que encontra já está devidamente convencionado pelos que chegam na nossa frente,depois os há,que se misturam nessa realidade sinalizada,e de forma acomodada prosseguem na cópia dos segredos desvendados,e pouco se importam na repetição das emoções precipitadas.
Sempre que o atrevimento ou a ousadia da mente se insere em "cantos" nunca por outros tocados,aí sim,o resultado das duas uma,ou se precipita dependente do tal pouco já ajustado ao senso comum,ou se impulsiona num extremo de êxtase,onde "o pensamento nos pára" perante aquilo a que nos expusémos obstinadamente na procura de uma verdade que nos surpreenda,e se possa mesmo lançar à consideração de quem principalmente a saiba sentir,e assim dimensionar.
O risco é grande,mas pode valer a pena,o choque é certo,mas a novidade pode catapultar a diferença com que podemos ser também diferentes a olhar o mundo.
Não creio que me engane,se afirmar convictamente que "o pensamento até nos pára a todos",e se de loucos todos temos um pouco,quem sabe se na sexta-feira no CAE,estas duas almas de raiz figueirense,até nos mostram mesmo em como a distancia entre os doentes mentais e os lúcidos desta vida,não será tão marcada no afastamento dos que sobrevivem lá dentro,e os que eventualmente vivem cá fora.
Discutível,não é ?
Ora é essa a ideia,e se por isso quer captar outra perspetiva,exponha-se também como João Pelicano e o Miguel Borges,neste magnífico Trailer.

Sexta-feira
Dia 15 de Maio de 2015
Pelas 21h30m no CAE,

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Até sempre Rui Sampaio...


Dolorosas de mais,são as chapadas impiedosas,cruéis e injustas,por nem se ter tempo para perceber o porquê de um momento para outro,se deixar de contar com muito mais do que um ex.Jogador,mas sim com um amigo,e mais do que isso ainda,com um bom ser humano.
Olha Rui Sampaio,tu sabes que eu não sou hipócrita,e que tudo aquilo que possa expressar é fruto do que sinto enquanto conhecedor de cada personalidade com que lidei através do Futebol,e consequentemente,os passei a acompanhar na vida,antes,durante e depois de cada um seguir o seu próprio destino. 
Nunca desliguei,nem nunca o farei para com quem me deu tantas alegrias,e foi parte integrante de sonhos desenhados com uma bola redonda,que no seu imprevisto peculiar,nos ligou em objetivos de uma só equipa,em um valoroso grupo de amigos,em uma família distinta e inesquecível,surpreenda-nos a vida as vezes que quiser.
Morreu há momentos num acidente de mota,aquele lateral raçudo,impulsivo,talentoso e audaz,que enchia com uma garra feita de um querer impressionante,as alas de uma equipa que lhe pedisse para procurar um espaço,onde os "seus pezinhos" pudessem ensaiar o principio de um golo,como forma de depois também o ver com aquele sorriso enorme,com aquele abraço vigoroso e solidário,e com a aquela alma que agora nos deixa,e nos ajudava a unir que nem heróis de um sonho concretizado.
Mas meu Deus,não foi por morreres que tenho tanto para te dizer,mas chegar ao treino e não ver o Sampaio já no balneário,não era sinónimo de qualquer falta,mas antes de mais valia,porque enquanto eu não chegava,ele fazia companhia aos seus amigos massagistas,que tanto respeitava,e admirava na missão que tinham.
O Rui,todos sabiam e sabem,tinha um estrondoso coração,era um Homem justo,humilde e fazia da verdade uma linha reta,e por isso não reunia consensos hipócritas,sendo que mesmo assim, esse era o lado para onde ele dormia melhor.
Eu levava a minha filhota com nove aninhos para um treino,pois ele desfazia-se em carinhos para com ela,sendo certo que quando questionava a Andreia por quem mais gostava na equipa,o Rui Sampaio era a sua escolha de topo,porque as crianças nunca se enganam quando encontram a pureza dos sentimentos.
Desgostos como este,já tive alguns no futebol,entre partidas anunciadas,e surpresas arrepiantes,e não te vendo há muito tempo,parece que te quiseste despedir de mim,pois num destes últimos dias,passas-te de carro junto ao mercado,cumprimentando-me efusivamente mesmo depois desse tanto tempo.
Fico com esse aceno de amizade,mas muito inconformado e muito triste com esta despedida prematura,de quem merecia melhor sorte,por ser um lutador incansável,e um ser humano que fará tombar muitas lágrimas nos muitos que te tinham em conta.
Até sempre Grande Amigo,mesmo que longe estejas,nunca por nunca mais,o teu nome e a tua presença será apagada da memória de quem contigo privou.

Custcruz

terça-feira, 5 de maio de 2015

A fotografia,o mundo e o ser humano...


No Nepal,irmão de 4 anos protege irmã de 2 anos.
Este é um registo emocionante pela forma como nas expressões de cada uma das crianças,se assumem protagonismos tão naturais como elucidativos dos valores que haveriam de acompanhar certos adultos que por aí andam.
Repara-se na postura retraída da menina,que se agarra de forma vigorosa à cintura do seu mano,fazendo beicinho,e amedrontada de certo,agarra-se à vida num vínculo de sangue que naquele momento se revela providencial para que a tragédia não a deixe ainda mais sozinha no mundo.
Convicto,e firme no abraço,protege o menino a sua mais do que tudo no destino da sobrevivência,de olhos fixos no nada,de joelhos bem assentes num chão traiçoeiro,e com a outra mão no equilíbrio do tronco, tranquiliza-a num aconchego dividido entre a dor e o amor ao que não quer agora perder.
Sobra o seu olhar introspetivo,como que na procura do que eventualmente vai demorar tempo a perceber,alicerçando um protagonismo admirável,luta por manter cintilante "uma luz" que outrora brilhava "entre outras"na órbita dos seus olhos.
A melhor fotografia,é de longe aquela que nos mostra tudo aquilo que só não vê e não sente,quem anda muito distraído,ou pior do que isso,longe de um mundo que é belo pelo que nos oferece a sua essência única,e no qual só se estando atento ao que nos rodeia,se podem encontrar os exemplos que revelarão os melhores virtuosismos deste planeta.
De repente,viajei até ao Nepal,vivi um drama tenebroso,conheci este exemplo de vida maravilhoso,refleti e encontrei-me agora aqui de lágrima caída,num agradecimento profundo a quem soube captar esta lição,que todos podem agora guardar com esta tão triste quanto bela foto.

Custcruz

domingo, 3 de maio de 2015

122 anos depois,"A Velha Senhora" persiste...


Os tempos mudaram,mas as almas com a áurea do sonho nunca cessam no brilho da sua plenitude intencional.Moldam-se ao ser,impõem-se nas virtudes,reeditam o ritmo,e semeiam os novos caminhos que honrem as cores e os sentimentos de quem só no trilho da ambição faz respeitar,e se preciso for com suor e lágrimas,uma "Velha Senhora",que se recusa a ofuscar um brilho que ilumina horizontes demasiado alargados para se alcançarem num fim...
O mundo,é um estado em ebulição,onde pouco ou nada se pode prever,mas muito mais se pode ansiar,onde até "guerreiros" cansados se rejuvenescem,e catalizam de novo elementos para um meio que sempre foi,e nunca se deseja que o deixe de  ser.
Na procura do entendimento,se deve dar ênfase à essência de um coletivo que unifique o tal estado de alma,ainda que reconhecendo a individualidade,no mérito perspicaz de saber unir,conjugando os instintos e as certificações de quem até pode saber,mas se pode também perder em envolvimentos adversos presentes na vida,que determinam percalços por vezes calculados no exterior,e em outras vezes até no acidente das emoções.
Sem tempo,nem feitio para a pequenez das análises de máscara elaborada,apenas aqui deixo o arrepio de quem em alguma contradição,jamais voltará,mas nunca deixará de alma e coração de acompanhar e reconhecer quem merece,no protagonismo da defesa e prestígio de uma coletividade com uma dimensão histórica que só pode orgulhar quem a fomenta,e prestigiar decididamente no meio a que pertence.
O meu aplauso para os corajosos que seguram o leme de uma embarcação que se deseja atraque em bom porto,e possa voltar a navegar tranquila,e a salvo de qualquer pesadelo onde um naufrágio dissolva toda esta intenção assinalável dos atuais Dirigentes,Seccionistas,Treinadores,Jogadores e Colaboradores,de uma "nova filosofia",que é notória na constatação do presente,e espero se reforce na construção do futuro da Associação Naval 1º de Maio da Figueira da Foz.


Em tempo de Aniversário,quis o destino e sobretudo o mérito,que fossem os mais jovens a "acarinhar" a história,acrescentando mais um Título de Campeões Distritais de Juniores,ao livro emocionante das suas conquistas,como que motivando uma Família,um Clube e uma Cidade,na reconstrução dos caminhos de vida,que façam o "ADN" Navalista suplantar os adversários que lhe possam surgir pela frente.

Com uma equipa que soube crescer nos tempos precisos,se "reforçar" nos momentos certos,e se entender nos objetivos,

não foi com grande surpresa,que de forma categórica se impôs a quem ainda não tinha perdido,e mais do que isso,goleou "sem dó nem piedade",no objectivo de fazer valer  um sonho,que pode vir a ser crucial na elaboração de uma "escada promocional" para os talentos que por ali já brilham,e muito mais podem cintilar nos "palcos do futebol".


Para aquele de passada acelerada,e magia na alma,para o outro de codícia na mente,e virtuosismo nos pés,para os demais que tanto souberam crescer ao longo da época,e prometer para o futuro,espero que continuem a perceber,que o desafio só agora começou,e há semelhança do clube a que pertencem,só abdicando de "tentações inconsistentes",se podem conquistar plateias,que por agora só surgem ao cair da noite,e depois se precipitam como num encantamento de vontades.
Parabéns ao Paulito,ao Vinagre,e a quem mais fez parte da equipa técnica,que com empenho e enorme qualidade,soube lidar com um desafio que só não surpreende no desidrato,porque a competência experimentada o fazia antever.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Sem nunca desistir...




"...No dia em que me silenciarem a voz,não me apagarão os gestos,no dia em que me aniquilarem os gestos,nunca farão esquecer os meus sentimentos..." 

Custódio Cruz