Afinal a vida foi,é...e será sempre um desafio na sequência sólida de percorrer caminhos que se ajustem à reflexão equilibrada e tolerante, onde os projetos nunca acabem, e se definam cada vez mais naquilo que queremos ser, e não no que os outros querem que nós sejamos...
Perceber que refletir e concluir são atos que não podem estar confinados apenas ao reflexo daquilo que experimentamos sozinhos, ou obcecadamente vemos nos outros,caindo assim na tentação de criar verdades absolutas agarradas a pressupostos com falta de equilíbrio identificativo da nossa própria vontade...
Não podemos nem devemos querer para os outros aquilo que foram momentos nossos,e ajustados apenas e só para nós próprios...
Fazer crescer é educar e tentar ser amigo,é procurar limar com valores acrescentados os passos próprios de uma imaturidade pela qual quando jovens naturalmente passamos,e ou se está bem atento,ou então ficamos apenas por nossa conta,e isso pode ser muito perigoso...
Sinto sinceramente que os "meus" me olham com a admiração de quem foi livre de escolher o seu próprio caminho,com responsabilidade e dispensando cópias comportamentais,mas entendendo que a partir de uma "base experimentada" também podemos ramificar genuinamente o nosso próprio"eu"...
Só se vive uma vez,e tirar originalidade a um ser,é limitar as emoções que estavam reservadas para cada um,e isso eu penso que não é justo...

Custódio Cruz

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

Aprender com a nossa sombra,e fixar os olhos em outras...

terça-feira, 28 de abril de 2015

Quadras sentidas...



Quadras sentidas

O amor vem de sempre,
não é descoberta de ninguém,
nasce como uma estrela cintilante,
brilhando no somar de uma só razão...

É diferente no toque,
mas nunca na intensidade,
é diferente no destino,
mas nunca na caminhada...

Não é amar por amar,
porque tal o impede o coração,
é ficar e nunca se separar,
mesmo que pareça uma ilusão...

O amor nunca acaba,
só adormece quando não o alimentam,
mal de quem ódio só tem,
e no amor não se experimentam...

Amar é para todos,
aqueles que sentem o cintilar,
de um gesto ou de um beijo,
ou de um simples olhar...

Custcruz
(Custódio Cruz)

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Higuita,e os seus "vôos de talento" em defesa do futebol paixão...



شاهد فيديو رائع للحارس الكولومبي رينيه هيجيتا الذي كان يلقب بالـ"مجنون" بعد أن تشاهد هذا الفيديو ستعرف لماذا اطلق عليه هذا اللقب
Posted by Sport360 Arabiya on Quinta-feira, 23 de Abril de 2015

Nem tanto ao mar...nem tanto à terra",mas sempre serão os mais apaixonados pelo jogo que marcarão a diferença.
Serão eles que por força das suas audácias talentosas,farão reavivar no presente o que se tem perdido no virtuosismo de um jogo,e que por isso mesmo,necessita no alimento da sua espetacularidade,do instinto de quem o vive de alma e coração.
Sempre o pensei e o transmiti,que todos tinham que fazer o que eu dizia,até ao "momento" em que a irreverência apaixonada do ser,pudesse tentar demonstrar que para além de quem lidera,existe aquilo que se quer encontrar,no fundo,aquilo que um dia fez cada um de nós se atrair por este jogo de paixões genuínas.
Higuita,até poderia levar longe de mais os seus "vôos de talento",mas quando equacionados na tal diferença,eles alargam um horizonte de reflexão,onde valeu mais a pena os seus excessos,do que os avanços de quem transformou o futebol em retângulos de matemática,adora borrar os dedos com giz,medir os passos a esquadro,e festejar equações previsíveis,quem nem sempre dão certas,por exagero na presunção.
Assim,entre os excessos de uns,e os exageros de outros,ora vejam lá de quem se lembram mais,de quem,e por quem se consegue manter um sorriso entusiasmado na essência que nos fez "a todos" escolher esta modalidade mágica.
Enfim,"nem tanto ao mar...nem tanto à terra",mas por mim,tenho mais saudades dos jogadores que também me "obrigavam" a bater palmas,do que dos "craques da bola arredondada".

Custcruz

domingo, 26 de abril de 2015

G D Cova Gala - Report TV,onde os peões são reis na verdadeira acepção da palavra...


Trinta minutos e cinquenta e oito segundos,e a safra revela-se emocionante,única,e envolta em momentos de uma peculiaridade,que traduz aos poucos um reflexo enorme na nobreza dos sentimentos,que elimina todas as dúvidas no que dizem,e catapulta uma coroa de orgulho por aqueles que os conhecem,e os entendem como ninguém...

Um bom Domingo,na companhia desta gente de bem...

sábado, 25 de abril de 2015

O 25 de Abril,e os protagonistas da vergonha...

Foto Luis Cavaleiro


Solitário e perdido entre protagonistas sem vergonha,
de uma vergonha que mistura letras mas não arrepia no sentimento,
que se proclama ser livre,
mas não se liberta dos vícios,
que se usa na lapela,
mas não se assume no caminhar...

És um símbolo de verdade,
mas usam-te na mentira,
dissimulam-te no espírito e prendem-te na intenção...

25 de Abril,
sempre...

Sempre que o sol brilhe para todos,
e não se esconda no cinismo de uma peneira,
que dê azo à igualdade,
e não se divida no sonho,
que se espalhe no espírito,
e não se apague no tempo...

25 de Abril,
de novo...

Que se expulsem os mentirosos,
e se aniquilem os perversos,
que impere a coragem,
e se reconquiste a identidade,
que a vida volte a ser quem é,
e a liberdade volte a triunfar...

25 de Abril,
sempre!!!

Custcruz

terça-feira, 21 de abril de 2015

Gente simples,e família...sim...


Índios,Leiretas,Esgueirões,Buarqueiros ouTaraus,são gente que habita em terra com a alma virada para o mar,instintivos por natureza,são fruto do meio que os viu nascer,vivem e pensam livres trilhando destinos nem sempre limados,são refletivos e corajosos pelas histórias que os acompanham,frontais e desafiadores,como as ondas que insinuam desfechos nem sempre previsíveis no brilho que as orienta,solidários e amigos, para com quem mais do que os queira conquistar,os encontre no que são,e os convença do que para além disso podem ser.

Um desafio inigualável para quem o queira confrontar,uma luta entre o formal e o genuíno,ou o pragmatismo e a aventura,bem retratados nas posturas que nestas entrevistas nascem como em qualquer outro lugar,ou oportunidade,sem subterfúgios de qualquer espécie,e onde a pureza dos sentimentos se impõe num "cara a cara" que arrepia só quem mesmo gosta,por cada vez isso lhe ser mais ausente no dia a dia,ou então não gosta,por clara inconveniência hipócrita.
Com isto,não quero nem posso dizer que estas gentes do mar não sofram dos "males do mundo",mas como se "distraem" mais que em outros poisos,assumem como o "Lambreta",os vícios(amadores)de uma verdadeira família do futebol,infantiza-se com um orgulho justo,a persistência na continuidade do futebol sénior federado,como o vinca o Fábio,criticam pela voz destemida do João Camarão,a falta de investimento estrutural nos "peixeiros",acautelando o Rui Camarão,na honra de o serem,mas sem depreciações provocadoras que os tirem do sério.
E mais ainda,porque o João Vasco não foi de modas,e "sem defender" o enorme talento que tem,ainda que não se deva incomodar com o eventual "cheiro a peixe" que lhe insinuam,podia ter tido mais arte na finta que o coração lhe fez,e ter ocultado "as minis" ,do "passe" que se queria,e lá está,ter calculado como ele bem faz dentro das quatro linhas,um rumo de conversa,que melhor concretizá-se a "jogada da vida".
Para terminar,ficou na retina a projeção serena,introspetiva e humilde "do marinheiro" Vitor Hugo,e para fechar com a "chave de um tal ouro puríssimo",saliência para aquele levantamento de bola executado ao longe,e já depois do fim do jogo na areia,de um "puto" que assim rematou na certeza inegável,de que ao amor puro pelo Futebol,por estes "cantos de sonhos" também existe muito talento por potenciar,e para cada vez mais ser visto com "outros olhos"...

Posted by ReporTv on Segunda-feira, 20 de Abril de 2015

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Os meus sentimentos,a um amigo que viu partir a sua Mãe...


Momentos difíceis,
lágrimas aconchegadas num orgulho que te formou enquanto o ser que és,
memórias do tempo avivadas,
e nunca perdidas na luz que te iluminará a cada passo,
pois dentro de ti,
continuarão as escolhas da tua emoção,
em cada lágrima brilhará a voz silenciosa do amor,
de um amor incomparável nos sons que te embalaram a vida,
e te aproximarão em cada aceno de saudade...

(Os meus sentimentos,a um amigo que viu partir a sua Mãe...)
Custcruz

terça-feira, 14 de abril de 2015

Naval 1º de Maio da Figueira da Foz - e os brilhos da sua alma...



Atrás de uma história vem outra,e com outra se revelam "os brilhos" que iluminam uma alma que enche de orgulho aqueles a quem a Naval 1º de Maio lhes tocou para sempre,e jamais o deixará de fazer,por "os contos" do seu encanto,expressarem as formas,os modos,e os gestos protagonizados por figuras de proa,a quem atrevimentos de vida serviram para catapultar uma filosofia concretizada em muita paixão e devoção a um clube que lhes deu tanto,sem lhes encher a carteira,mas muito mais do que isso,lhes preencher o coração.
Nos envolvimentos da situação de saúde de Pedro Simão,ergueram-se "memórias adormecidas" que são bem a imagem de uma máxima perfeitamente certificada,de que um clube com história,nunca pode esquecer o passado,ter em atenção o presente,e construir o futuro com as premissas de uma mistica que sempre defenda o essencial,e não arrisque a continuidade...
Erros todos cometemos,mas acredito até pela força emocional de quem me transportou para um passado onde eu ainda pouco sonhava,e muito menos conhecia,que homens como António João de Freitas(Tó João),ou António Pinto(Tó Pinto),teriam sido ícones para quem a criatividade foi mais vezes solução,do que o risco de um vazio que era precavido em um todo,que pouco ou nada tinha a ver com o clube,mas muito mais com a carolice.
Destes dois senhores,apenas me lembro das referências que circulavam de boca em boca,e que os distinguiam no respeito pelos méritos das suas ações,e ainda hoje,prefiro que seja quem sabe,e que  melhor os conheceu,a definir e posicionar no contexto histórico verde e branco.
Ainda assim,e por muito pouco que seja,vale a pena recordar por entre a imaturidade dos meus 11 ou 12 anos,aquele senhor(Tó Pinto),que assumia o leme em diversas circunstâncias,e que revelava um dinamismo organizativo apreciável,tentando sempre influenciar os desenvolvimentos que melhor podiam servir o clube.
Do senhor Tó João,que conheci muito mais tarde,mas não menos à distância,tenho a imagem de um homem simples,calmo,sereno,e muito observador,palpitando sobre o que quer que fosse,só depois de dar liberdade aos seus olhos no retiro dos indícios que solidificassem as suas conclusões.
Muito pouco,é o que posso dizer,mas ainda assim,e agora,muito mais sentir,com a bela página da "sanzala do Tó João”,da qual só agora tive conhecimento,o quanto  me fez perceber,porque aquando da menção em conversa com o  Simão na visita que lhe fiz ao hospital,depois de lhe ter falado na menina Carolina(neta do Tó João),que me tinha dito considerá-lo família,ele se remeteu a um silêncio calmo,e não evitou a queda de lágrimas agradecidas a muito mais do que naquela altura eu pensava.
Foi este lindo episódio de vida,que me motivou "a vaguear" sobre estas duas personalidades Navalistas,que pouco conheci,mas hoje muito admiro.
Quanto ao que escreveram no livro da "Velha Senhora",vou deixar falar quem sabe,porque como aqui está revelado,é a melhor forma de eu também melhor conhecer um clube que está para mim guardado em sitio certo,e que sempre me surpreenderá pelo valor imprevisível e brilhante da sua história centenária. 
Custódio Cruz
TÓ JOÃO um grande Navalista

António João de Freitas, tratado pelos amigos por Tó João, foi tudo na Naval. Desportista, "Seccionista", Director e Mecenas. Quantas e quantas vezes colocou o que tinha e não tinha ao serviço da sua Naval.
Comerciante no ramo da pesca, com armazém na Rua Vasco da Gama, quem não se lembra da célebre Sanzala.


A Naval tinha contratado perto de uma dezena de jogadores para a equipa principal, parte deles, de raça negra. Nesse tempo não havia dinheiro disponível para alugar casa e muito menos hotéis para hospedar os jogadores.

Tó João resolveu o problema, construindo no seu armazém um dormitório onde alojou todos os jogadores. Estes, quando se lhes perguntavam onde residiam respondiam “na sanzala do Tó João”.


Navalistas desta estirpe têm de ser recordados com 

saudade.


(Texto de Rogério Neves publicado no nosso blog em 1-12-2007)

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Passe...e fuja...Grande Simão...



Pedro Simão,uma glória Navalista na verdadeira acepção da palavra,pela mão de meu pai,vivi alguns dos "cantos de sonho",onde o numero 5 fez da abnegação e talento,as premissas de fulcro,para mais do que tomar conta de um flanco,espalhar uma filosofia,onde respeitar um simbolo era conjugar o rigor da obrigação,com uma escolha de vida,que só acontece a quem se entrega de alma e coração,a uma causa que também passa a chamar sua.
Com este senhor,nunca se podem esgotar as palavras para contar as histórias que caracterizem a sua ação em prol do clube,e tudo porque a sua dedicação foi instintiva,verdadeira,e por isso pura para com a família que se lhe expôs,e com o qual ele foi sempre agradecido,e despretensioso nas contrapartidas.
Foi jogador,treinador e dirigente,e nas necessidades complementares,foi roupeiro,chofer e amigo,a uma proporção à qual não
colocava limites nem restrições,pela razão direta,de que quem se entrega ao sonho,só praticamente o vive,e nunca espera dele degrau de coisa nenhuma.
Tinha,e tenho tanto para falar do Simão,enquanto um ser humano que marcou tantos outros com a sua postura consensual e inteligente,mas hoje,e mais do que tudo,quero desejar que o contra tempo de saúde que atravessa,não seja mais de como aquela dica com que à pouco me deparei nas lembranças de um seu ex.jogador,onde à elaboração teórica das suas indicações técnicas,incentivava o dito,a passar a bola,e..."a fugir"...(para o espaço,claro está),podendo depois ficar livre de conquistar de novo os seus anseios para com a redondinha...
É isso,Simão,vamos esperar que passe rápido,e que com a determinação que por todos lhe é reconhecida,saiba "fugir"...a mais esta jogada do destino...
Grande Abraço,Mestre dos sonhos que um dia eu também haveria de desfrutar.

Custódio Cruz

terça-feira, 7 de abril de 2015

Futebol de formação,entre o que somos na vida,e o que podemos ganhar sem saber...

O "futebol natura",tem por força dos escroques materialistas que o invadiram por presunção ou frieza de factos,perdido na destreza espontânea com que se alicerça o deambular do sonho,aquele que nasce com as emoções precipitadas no momento,e oferece a quem se expõe,gestos(relíquias)reconhecidos por quem sente e ama um desafio nascido na rua,onde a maior vitória,está na captação "a olho vivo" de uma empatia que não dispensa os virtuosismos do treino,mas muito mais do que isso,preserva a essência do jogo. 

Hoje,vislumbro sorrindo triste,por principalmente na "formação de jogadores" assistir a construções de "super equipas" que apenas defendem as suas balizas para não sofrerem golos,e onde se esquece o arrepio da diferença entre a "matemática do ser",e a "liberdade da alma".
Entre os novos treinadores e dirigentes,lá se vão amontoando preocupantemente os "doutores e engenheiros do futebol",que se apaixonam principalmente pelos seus umbigos,e se convencem mesmo,que depois,nada mais do que um "empresário de papelão" para colmatar as frustrações que estes,e os seus respetivos meninos,não preencham na falta do brilho artístico que os distinga entre quem por lá pode passar,e quem por lá pode semear o seu encanto...
Ser-se uma boa equipa no equilibro das ações dentro das quatro linhas,é o fruto de um trabalho pensado,que se deve erguer numa pirâmide onde não se ignore "quem se esconde",e se incentive quem pode dar muito mais,pois no futebol como na vida,se em criança não se desfrutar da "alegria"(pedagogia) de viver entre as conquistas e as derrotas,não é no pico da escada que lhe vão dar essa oportunidade.
Assim,vou vendo por aí grandes promessas a crescer pouco,e o Futebol a perder muito.
Custódio Cruz

domingo, 5 de abril de 2015

5 de Abril,um sinal de luz...


5 de Abril 2009-2015...

Pouco importa o que dizem,
pouco importa o que pensam,
continuar-te a desejar perto de mim,
pode até ser um sinal de fraqueza sem fim,
pode até ser um mau exemplo de vida,
mas o amor não se mede com a vontade do mundo,
não se sente com a matemática das coisas,
apenas existe porque foi tomando conta de nós,
porque nos conquistou na subtil forma do ser,
do ser que nos olhou,
que nos acariciou,
que nos beijou,
que nos abraçou protetor do desejo sem limites,
onde a paixão foi conjugada com o brilho de uma grande descoberta,
e o sonho iluminou um caminho que nunca pode acabar...
Mãe,
é hoje,
e apenas um sinal de luz,
que se move com os pés de quem acredita,
perseguido num horizonte de esperança,
para um reencontro que devolverá a paz a quem a merece...
Até já...
Custcruz

quinta-feira, 2 de abril de 2015

A verdade da mentira,que em pleno século 21 ainda não chegou à Praia da Leirosa,e nem só...


O sonho comanda a vida,e quem sabe num qualquer dia 1 de Abril do futuro,a notícia seja mesmo verdadeira.

Com imensos sintéticos distribuídos há tanto tempo nas zonas de Leiria,Aveiro e Coimbra,reserva-se ao concelho da Figueira da Foz este triste cenário,já colmatado no Bento Pessoa,mas em falta com outros locais que estrategicamente pudessem levar principalmente aos mais jovens a justiça dos tempos que correm.
Resta a "verdejante esperança",que aos verdadeiros apaixonados do futebol nunca falte a coragem de pensar alto no "cardápio dos seus sonhos"...
Quem sabe,alguma boa alma possa sensibilizar-se com o apelo...




Até lá,continuarão a sobrar rostos tristes,ou menos alegres,por verem o tempo a passar,e os seus cantos a não encantarem quem não se devia esquecer que as crianças são todas iguais.



É preciso azar...
Olhem putos,entretanto sonhem,sonhem muito,pois haverá sempre algumas "almas de Deus" a apoiar os vossos mais genuínos desejos,e olhem que por isso mesmo...já vão com alguma sorte...

Mas é isso,mereciam mais!!..







CNC

quarta-feira, 1 de abril de 2015

A festa do futebol na Praia da Leirosa vai finalmente ser jogada num sintético...


Decidido há momentos,Praia da Leirosa vai ter um sintético para enorme satisfação dos jovens futebolistas que ali praticam a modalidade dos seus sonhos.
Planeado está também,o descerramento de um busto em homenagem ao Professor Cristiano de Sousa,figura impar do Futebol Regional,dedicação incontornável da história de uma coletividade que nunca regateou no investimento das virtudes do Associativismo,em função de uma comunidade constituída por gente simples,humilde,corajosa,e marcante na afirmação da alma figueirense.


Em tempo de atitudes recentes,e muito assinaláveis pelo seu teor de generosidade e esforço na função social,fico feliz que pela "Margem Sul"do nosso Concelho,e de uma vez por todas,se concretizem anseios que podem fazer para além das histórias bonitas que ali se escrevem todos os dias,outras de futuro,que só poderão ser ainda mais brilhantes,e com o condão impulsionador de um "tecido empresarial", que tanto tem dado à Figueira,e desta feita não deixa de se sensibilizar na continuidade.


Parabéns,e que este Dia 1 de Abril de 2015,seja mesmo um marco histórico,que principalmente às crianças arrancará sorrisos do tamanho do mundo,e soltará as amarras em uma viagem de vida,que apenas se sonhava,e agora se vai concretizar.
Atente-se à postura daquelas crianças,que em terras de Montemor se deliciaram com aquilo que agora também poderão vir a desfrutar em casa...